10 de out de 2011

58

barulho de chave
na fechadura da porta
um galo canta

5 comentários:

  1. Então acorda!
    pois a felicidade
    bate na porta!

    ResponderExcluir
  2. As vezes é o galo que nos acorda, outras, nós é que o acordamos.
    Quando abro o portão, o gato vem me esperar na porta


    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Nice!
    Não conhecia este seu blog, e não tinha vito o recado, aliás vários, não esotou recebendo aviso. Vou perguntar pra Mari.
    Halcais também é novidade pra mim. Gostei muito.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Querida poetisa, obrigado por visitar meu blog, e mais, comentá-lo. "A arte é necessária porque a vida não é suficiente" já disse Ferreira Gullar. A poesia é bela pois é de quem sente e não de quem escreve. Todas as interpretações são verdadeiras. Uma vez no mundo, os versos têm vida própria. A respeito do poema "Capitalismo" dou uma de minhas interpretações, talvez aquela que me inspirou de início, mas que não restringe outras: o consumo desenfreado do capitalismo até o último instante. Quem já enterrou um ente querido sabe que temos que comprar a carneira (ou carneiro) que na verdade é a gaveta, a urna usada como sepultura e vendida pelos cemitérios, porque você não acha que é de graça?! E assim, finalmente a casa própria, também uma imagem da luta inglória que passamos durante a vida em busca da casa que muitas vezes não se alcança. Então, a morte nos dá, porque sempre alguém acaba pagando. Também o à vista, que pode ser o pagamento no ato da compra, ou então, à vista, que está próximo... e assim as interpretações da poesia são de cada um. Como disse, é de quem sente. Um grande abraço de Alaor Tristante Júnior.

    ResponderExcluir